sábado, 16 de março de 2013

HA QUE SE CUIDAR


Há que se cuidar, com zelo, de todos os nossos antigos malfeitos. Sim, todos aqueles que bailam em nossa memória, repletos de odores, tatos, arrepios e calores; todas as mordidas nas entranhas de prazer ou de terror; cada olhar que nos chegou, cada cor, cada cena.
Há que se cuidar, com zelo, para que não cheguemos á perfeição. Sim, a perfeição de pensamento, sabendo que não mais existem ilusões, nem vida após morte, nem vida durante a vida. Tudo torna-se tão insosso, sem um segredo que nos leve para o diabo que nos carregue! Portemos, guardado em algum bolso, uma carta perdida, um pedaço de tecido velho, uma foto escondida, para que o passado venha, assim, alegro ma non tropo, colorir o presente insosso.
Há que se cuidar, com zelo, para não perdermos as sensações que nos foram caras. Escrevamos em todos os textos, a cada mil dias, para que, ainda que se passem mil anos, aqueles que lerem possam dizer: aquele ali, olhe, foi marcado por tal fato, presente do primeiro ao último ato.
Há que se cuidar, com zelo, de toda e qualquer  reação que haja marcado o corpo: o toque que trouxe o arrepio, o hálito que chegou tão próximo, mas não tornou-se beijo, o olhar profundo que fez subir calor pela espinha, a carícia pedinte a pedir carícia. Há que se cuidar para que não descuidemos dos pecados, pois já há mais de trezentos e sessenta e cinco santos espalhados para devoção, e outros tantos mártires esperando para serem dignos de oração.
Há que se cuidar, enfim, da nossa humanidade, dos nossos antigos malfeitos, das nossas querências, dos nossos pecados mais secretos, dos textos, hieróglifos, ainda a serem descobertos. Porque ainda escuto sinos repicarem enquanto leio poemas, e me esbofeteiam a face com palavras de amor que não cri.

2 comentários:

Vai uma maçã aí?

E nós, as Evas do mundo, como seríamos definidas se a primeira Eva não tivesse oferecido a maçã para Adão? Me recordo também que existem ...