domingo, 13 de julho de 2014

CÁLCIO E BRANCURA

Em minhas mãos, duas conchas. Gastas, lisas, praticamente sem cor. De borco, mostram para mim de quantas camadas de cálcio depositado, ano após ano, são feitas. São espessas, pesadas, já não tem a metade que lhes completa, mas me encantam.
Já rolaram muito pelo mar, desgastaram-se nas ondas, na areia, de uma praia a outra, do fundo do mar para a beira das praias. As vejo, e imagino se fossem pessoas. Seriam aquelas que admiramos, inquebrantáveis, ante as vicissitudes da vida. Seriam pessoas cheias de rugas, ao final de suas vidas, mas de uma dignidade e alegria ímpares.
Há aqueles que gostam de colecionar conchas de diferentes formatos, diferentes desenhos, madrepérolas frágeis, mas estas se quebram tão logo o mar se revolta e as atira em direção às pedras... Se fossem pessoas seriam as que se entregam diante de qualquer problema, e não mais se levantam, ou aquelas cujo interior se quebra logo a primeira ofensa ou dor de amor.

Prefiro a integridade destas conchas antigas. Elas me lembram que o viço da juventude passa, as dificuldades sempre estão aí, por toda parte, queiramos ou não, mas se escolhemos passar com leveza, ainda seremos quem somos daqui a cinquenta, sessenta anos... como estas que miro em minhas mãos, ainda conchas, íntegras e fiéis à suas naturezas de cálcio e brancura.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

RESENHA SOBRE MEU LIVRO NO BLOG PROSA ENCANTADA

Confiram que resenha linda da minha amiga e escritora Ana Lucia Santana sobre meu livro, em seu blog  http://prosaencantada.blogspot.com.br...