Pular para o conteúdo principal

RESENHA SOBRE MEU LIVRO NO BLOG PROSA ENCANTADA

Confiram que resenha linda da minha amiga e escritora Ana Lucia Santana sobre meu livro, em seu blog http://prosaencantada.blogspot.com.br/2015/12/o-poente-o-poetico-e-o-perdido.html?m=1


Um trechinho aqui:


Sua poética tem a fluência e a malemolência de quem, além da poesia, também se dedica à música. A poeta e a compositora se aliam na tessitura do ritmo e da melodia. Esse encontro das várias Anas transparece em poemas como Porcelana Chinesa - a amante da cultura oriental, a pintora, a cantora, a mulher de longa trajetória existencial.

Aliás, a passagem da autora pelo Japão está impressa em sua poesia e ganha um espaço particular nas poesias Símbolo eJapão, assim como nos poemas escritos entre 1994 e 1995, alinhados, neste livro, no segmento intitulado Oriental. Nessa etapa, a autora, mais que nunca, parece buscar sua própria identidade, num processo de desconstrução e renovação. Essa experiência está latente na série de poemas Nihon.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SUJEITO OCULTO

Sutis interferências ocorrem no meu dia a dia. Agora sei a diferença entre insônia e inspiração. Insônia é a falta de sono que não te deixa dormir, por preocupações, acontecimentos. A inspiração vem como uma cadência, te contando como será a próxima palavra; ela te dá um sonho, e depois te acorda com a consciência para que se possa verter imagens fantásticas no papel.


Sonhei que era uma moça noiva de Poesia. Poderia chamá-lo de poeta, mas ele se apresentou no sonho como Poesia mesmo. E me ensinava que não basta escrever somente com maestria, mas que deveria haver aí o sentimento. Me ensinava tantas maravilhas, mas o mais importante era de saber verter os sentimentos no papel, ser autêntica.

Andava por vilarejos de casas baixas, patrimônios tombados do inconsciente, praias de ondas mansas, de areias extensas e brancas, aonde molhávamos os pés, carregando nossas sandálias.

Não vi o rosto de Poesia. Também a mim não importa. Nunca me importei com a aparência, mas com o que ele trazia par…

MULHER RENDEIRA

Rendas, bilros, Olê, mulher rendeira, Que trabalha em seu rendar, Enfeitando as vistas das gentes Arcoirizando a vida Em mil tons diferentes, Olê, mulher rendá. Pendurados na beira da estrada, Entre areias e o vazio, Seco e sol, Fuxicos, rendas, bordados, E bordadeiras em suas vidas infelizes De vender beleza Por alguns dinheiros. No alto do morro, avistando o mar, Toalhas de almoços Para mesas ricas, Puro linho, desenhado a mão, Sutilezas sem preço, Pedindo satisfação Por sua exposição. Suplicam que levem seus dias e noites Trabalhados sem fim, Penélopes  por necessidade, Não por vocação, Trazendo beleza Nas delicadas flores, No intrincado bordado, No fino linho, Mas com os olhos perdidos Na imensidão. Olê, mulher rendeira, Olê mulher renda, Tú me ensina a fazê renda,
E eu te ensino a verseja.

COMPROMETIMENTO

Comprometimento. Você já ouviu falar nisto? É uma palavra pouco usada, pouco utilizada, e uma ação bem pouco vista nos dias de hoje. A falta de comprometimento pode causar vários efeitos indesejáveis, nocivos à saúde comunitária e individual. Comprometimento com causas estabelecidas de comum acordo geram amizade, simpatia, companheirismo, ajuda mútua, estreitamento de laços, quer seja de negócios, quer seja de amizade. Falta de comprometimento gera desavenças, noites mal dormidas, raiva, queimação no estômago, distratos, perda de confiança no individuo e no mundo, desalento...             Pode soar desagradável, mas literalmente o que nos mata é a falta de comprometimento por parte das pessoas. Cada vez que nos comprometemos, esperamos das pessoas envolvidas uma postura de engajamento igual a que oferecemos. Quando isto não acontece, a quebra de confiança traz uma sensação de traição muito grande, pois percebemos que colocamos nosso tempo e energia em algo que deveria ser construído co…