quarta-feira, 3 de julho de 2013

MULHER RENDEIRA

Rendas, bilros,
Olê, mulher rendeira,
Que trabalha em seu rendar,
Enfeitando as vistas das gentes
Arcoirizando a vida
Em mil tons diferentes,
Olê, mulher rendá.
Pendurados na beira da estrada,
Entre areias e o vazio,
Seco e sol,
Fuxicos, rendas, bordados,
E bordadeiras em suas vidas infelizes
De vender beleza
Por alguns dinheiros.
No alto do morro, avistando o mar,
Toalhas de almoços
Para mesas ricas,
Puro linho, desenhado a mão,
Sutilezas sem preço,
Pedindo satisfação
Por sua exposição.
Suplicam que levem seus dias e noites
Trabalhados sem fim,
Penélopes  por necessidade,
Não por vocação,
Trazendo beleza
Nas delicadas flores,
No intrincado bordado,
No fino linho,
Mas com os olhos perdidos
Na imensidão.
Olê, mulher rendeira,
Olê mulher renda,
Tú me ensina a fazê renda,

E eu te ensino a verseja.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Vai uma maçã aí?

E nós, as Evas do mundo, como seríamos definidas se a primeira Eva não tivesse oferecido a maçã para Adão? Me recordo também que existem ...