sexta-feira, 18 de maio de 2012

O ESPELHO


                Há alguns anos, quando era mais moça, conheci uma mulher muito atraente, na casa de seus cinquenta e poucos anos, e ela disse-me algo que me marcou e me fez pensar por muito tempo. Confessou-me que quando olhava no espelho nunca enxergava a imagem atual; guardava em sua retina uma imagem sua com quarenta anos, num dia em que se arrumara para sair, e estava particularmente linda, radiante. Disse-me que se dera conta, no exato momento em que olhara a imagem sua refletida no espelho, que aquela era a imagem que mostrava sua alma em estado de plenitude.

                Hoje, em que eu estou na casa dos quarenta, consigo entendê-la.  Por estes dias eu também me peguei olhando para o espelho, e me achando plena, feliz, em estado de graça. Entendi o que esta mulher havia enxergado. Quando temos quinze anos somos belezas sem consciência; seduzimos pela força telúrica que possuímos, a terra que fala mais alto dentro do corpo jovem. Quando temos vinte anos, seduzimos pelo porte de mulher que nasce, mas muitas vezes não nos damos conta da sexualidade que emana de nossos gestos, falas, no nosso caminhar. Temos uma potência infinita, mas não sabemos que o temos, e a maioria que se dá vagamente conta do fato ou a desperdiça, ou foge dela, com medo . Quando chegamos a casa dos trinta, algumas luzes já se acenderam para nós, mas a consciência plena vem com os quarenta anos.

                Não me perguntem por que quarenta,  não saberei responder. Só sei que é um marco de mudanças, internas e externas, e é quando olhamos aquelas antigas fotos e repreendemos aquela moça que tinha vitalidade, tempo e liberdade, e não aproveitou o que a natureza lhe proporcionava. Recriminamos porque neste momento, no auge da nossa beleza como mulheres, sendo conscientes de cada parte de nós mesmas, não temos mais a vitalidade de outrora, juntamente com todo o resto.  Mas temos consciência. Aos quarenta, já sabemos o que queremos, e temos foco suficiente para corremos atrás de nossos sonhos que ficaram pendurados em algum cabide, empoeirados, por muitos anos. É a idade em que resgatamos o que de melhor temos, ou então envelheceremos amargas e secas por dentro.

                Também aos quarenta queremos mudanças, e sofremos por não conseguirmos nos desvencilhar de crenças que nos tolhem a alma. Sofremos, choramos, mas buscamos a mudança. Ficamos irascíveis, queremos fazer as malas e irmos para a Conchinchina, como falava minha avó, mas temos a realidade que nos cutuca, puxa a barra do vestido e diz: estou aqui, hello!!!

                O que posso dizer: um dia me olhei no espelho, vi minha alma me acenar, radiante. Naquele dia, muitas pessoas viram a mesma radiância. Não foi eterna  a sensação, mas a busco agora, constantemente. Quando não a tenho, explodindo meu peito, fico muito decepcionada comigo mesma, pois  acho que deveria viver em estado de plenitude diariamente... por isso procuro, ardentemente, na imagem do espelho, esta mulher  plena, que sei que habita em mim, para me dar coragem e força, diariamente, para não perder meu rumo nunca mais. Porque, afinal, não é o manequim correto que nos faz belas aos quarenta, mas esta sensação de plenitude que exala pelos poros, e nos faz poderosas.  Como aquela mulher que conheci, que mantinha a sua imagem mais feliz na retina, e a irradiava, mesmo após anos passados, com a mesma força. Alguém quer um espelho?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

RESENHA SOBRE MEU LIVRO NO BLOG PROSA ENCANTADA

Confiram que resenha linda da minha amiga e escritora Ana Lucia Santana sobre meu livro, em seu blog  http://prosaencantada.blogspot.com.br...