sábado, 11 de agosto de 2012

O ABRAÇO VEM ASSIM...


O abraço vem assim, no encontro. Os corpos se amalgamam, os corpos se reconhecem, se enlaçam em serena fúria, desejo de junto estar. Ela some no abraço, se aquece e se recolhe no espaço que o amado lhe oferece. A juventude dos dois explode a olhos vistos; o brilho nos olhos, a vitalidade dos corpos, o amor saindo pelos poros.

Ele a toma como um bailarino,  aproveita de suas magras linhas, e a rodopia, qual uma boneca, os pés saindo do chão, os cabelos negros voando junto com a saia do vestido;  a brincadeira de infantes colorindo o momento dos amantes.  Ela ri, riso solto, sublime e sincero, ele afaga seus cabelos, enlevado com seu mistério.

E o abraço se repete. Ela esconde o rosto no peito acolhedor do amado; sente seu cheiro de madeira, de sal, de pele; reconhece-se segura, confia e fica. Em seu abraço sente-se inteira, percebe-se pelo toque do outro, se esquece se vai ou se fica.

E os percebo, felicidade delicada, exposta na vitrine da rodoviária, enquanto o ônibus encosta na plataforma, e eles ,de mãos dadas, se repartem no último abraço, um permanecer por mais um segundo, guardar o cheiro, o toque, a textura dos cabelos, da barba por fazer, da camisa xadrez de algodão amaciado pelo tempo, do vestido rubramente delicado que a envolve, do aperto que lhes dá no estômago, felicidade visceral, que se abre na roda em meio ao peito. E de adeus se faz o ultimo abraço, mormaço, olhar baço da lágrima que teima em sair. Amor.

4 comentários:

  1. Cara Ana,
    Questionei-me sobre esta postagem.Restou isso:

    http://privacidadespublicas.blogspot.com.br/2012/08/certeza.html

    Quero sua mais sincera opinião...Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rafael, eu adoro fazer, e portanto, também ler, poemas que brincam com palavras/idéias, e seguem num "crescendo", como se fala na música, até um final abrupto. Portanto, não se questione sobre tua postagem. Teu poema ´não é "batatinha quando nasce", é para sentir e refletir. Opinião sincera: está de parabéns. Um abração!

      Excluir
  2. Amiga, lembrei de uma cena tão bonita, na rodoviária de Sampa, quando ia para a Feira do Livro em RP, e foi saindo, assim... a paixão do casal de estudantes emanava pelos poros dos dois... Obrigada por estar sempre me acompanhando!

    ResponderExcluir

Vai uma maçã aí?

E nós, as Evas do mundo, como seríamos definidas se a primeira Eva não tivesse oferecido a maçã para Adão? Me recordo também que existem ...